Por que algumas pessoas conseguem realizar treinos físicos mais intensos ou mais demorados sem parecerem tão cansados? Por que alguns se machucam com tanta frequência quando se exercitam? Por que ganhar massa muscular parece muito fácil para alguns e tão demorado para outros? O “teste de DNA fitness” pode responder essas questões.

É inquestionável que a frequência dos treinamentos, bem como o tempo entre as sessões de exercícios e o tipo de atividade física que se realiza são fatores fundamentais para alguém tornar-se fisicamente bem sucedido.

E o biotipo também conta muito. Ou seja, a composição muscular, a proporção de “massa magra” (músculos) em relação à “massa gorda” (gordura), a elasticidade, a regulação da pressão arterial e outros elementos que formam o nosso corpo e participam de processos fisiológicos são muito importantes para que a atividade física praticada atinja os resultados esperados. 

Mas você sabia que o DNA guarda as informações que podem fazer a diferença na resposta aos treinos? É justamente para responder essa e outras perguntas que preparamos este artigo – aproveite e acompanhe até o final.

O que é o Teste de DNA Fitness?

Não é novidade que praticar exercícios físicos é tido como algo essencial para manter a saúde e a boa forma. Muitas pessoas realizam treinos regularmente, quer seja apenas caminhando, ou fazendo parte de grupos de corrida, erguendo grande quantidade de pesos na academia ou até mesmo treinando para modalidades esportivas. 

Também não é novidade que a genética é uma das áreas da ciência que mais cresce e que hoje consegue explicar certos fenômenos fisiológicos com maior riqueza de detalhes. Com isso sua aplicação clínica cresceu, mas também seu uso se expandiu para áreas que podem impactar no nosso dia a dia, e isso inclui os treinos físicos.

Um dos meios de se conhecer como os genes funcionam em resposta aos exercícios é realizar o que alguns chamam de “teste de DNA fitness”. Isso quer dizer que com apenas uma pequena amostra de material biológico (saliva, por exemplo), um laboratório especializado pode analisar o DNA extraído dessa amostra e inferir como uma pessoa tende a responder aos exercícios.

Obviamente isso tem uma base científica robusta a partir de pesquisas com atletas, o que permite estabelecer uma relação mais forte entre genética e esporte. Assim, muitos profissionais começaram a buscar associação entre treinamentos melhores direcionados de acordo com a genética de cada pessoa.

Como o teste de DNA fitness pode auxiliar nos treinamentos físicos?

Nos nossos genes (partes do DNA responsáveis pelas proteínas do nosso corpo) estão contidas informações que revelam como nosso organismo funciona. Logo, são essas informações que são usadas para inferir como nossos músculos, ossos, pulmões, tendões e ligamentos se comportam frente às atividades físicas.

Como para cada pessoa existem variações nas informações que os genes carregam, e elas são encarregadas por estabelecer as bases da nossa fisiologia, cada organismo, cada corpo responde de um jeito diferente aos exercícios físicos.

Dessa forma, é possível explicar porque vemos diferenças de desempenho entre atletas e até mesmo porque as pessoas que vão à academia e fazem exatamente os mesmos exercícios apresentam resultados distintos. 

O “teste de DNA fitness” nada mais é que a ferramenta que revela quais são as variantes genéticas de cada indivíduo. Com esse conhecimento se consegue saber de cada pessoa, por exemplo:

  • qual a constituição muscular;
  • como é a tendência a responder a exercícios físicos de força/potência e de resistência física;
  • a capacidade de metabolização de oxigênio para a produção de energia necessária para executar os exercícios;
  • qual o potencial de recuperação após os treinos;
  • a propensão ao desenvolvimento de lesões decorrentes das atividades físicas.

Quais as vantagens de fazer o teste de DNA fitness?

A partir das características inferidas pelo “teste de DNA fitness”, os treinamentos podem ser melhor definidos e planejados, com os exercícios mais adequados, na quantidade e intensidade apropriadas, e com o descanso propício entre as sessões de exercícios, por exemplo. 

Obviamente que isso traz vantagens de duas formas:

Para quem realiza o teste (usuário):

A vantagem é ter treinamentos mais compatíveis ao seu próprio corpo, ao que dá mais resultado para si, sem muita tentativa-e-erro que pode levar a frustrações e desengajamento para treinar. Assim, com uma preparação física mais individualizada, os objetivos são atingidos de maneira muito mais segura e sustentável.

Para o profissional

Capacitado a planejar e guiar os treinos físicos a partir de testes genéticos, o “teste de DNA fitness” realizado pelos seus alunos serve como um mapa que mostra o melhor caminho para fazer com que eles cheguem aos seus objetivos. O resultado disso são treinos mais assertivos e, por consequência, mais efetivos, o que acaba levando a uma maior adesão ao plano de treinamento, e até à recomendação do profissional para outras pessoas.

Para concluir, é inevitável dizer que a personalização das condutas de treinos físicos é algo desejável, sendo hoje muito mais tangível que há alguns anos, quer seja pelo acesso de informação sobre o teste e sobre sua aplicação, quer seja pela acessibilidade econômica.

Resumindo, o “teste de DNA fitness” é uma moderna ferramenta que agrega valor aos treinos físicos, permitindo melhorias de desempenho aliadas ao bem-estar corporal. Uma bela vantagem para quem faz o teste, não é mesmo?