Você sabe o que é Nutrigenética e como ela pode auxiliar na sua conduta nutricional?

Usando as informações genéticas dos pacientes é possível avaliar características para elaboração de condutas clínicas mais assertivas, de acordo com o DNA de cada pessoa. Na área da nutrição, a importância do uso de testes nutrigenéticos torna-se cada vez mais evidente, popularizando-se entre os nutricionistas.

Quando surgiu ?

Segundo consta, o termo Nutrigenética foi usado pela primeira vez em 1975 pelos Doutores Brennan e Mulligan no livro intitulado “Nutrigenetics : new concepts for relieving hypoglycemia” (Nutrigenética: novos conceitos para amenizar a hipoglicemia). Na obra, os autores abordam basicamente a importância no controle da ingestão de açúcar para manter a boa saúde, e que o uso de dietas e suplementos para cada tipo de paciente é a chave para prevenção de doenças. 

No entanto, o termo Nutrigenética (assim como a Nutrigenômica e tantas outras subáreas da Genética) ganhou mais força a partir do Projeto Genoma Humano, quando se desvendaram os genes que formam o organismo da espécie humana. Nas duas últimas décadas, tanto nutricionistas como geneticistas e fisiologistas passaram a se debruçar sobre o efeito que os genes têm na alimentação.

As variações genéticas individuais passaram a ser levadas em conta na determinação da conduta nutricional de cada pessoa. Além dos parâmetros já analisados anteriormente (bem fundamentados numa anamnese detalhada para os aspectos nutricionais), o DNA começou a ganhar espaço na observação das necessidades específicas de cada um.  

Os fundamentos da Nutrigenética foram assim sendo alicerçados em pesquisas associando a presença de determinados genótipos a doenças crônicas. Além disso, o início de grandes estudos com maior número de pessoas, como os Estudos de Associação do Genoma Completo  (GWAS – Genome Wide Association Studies), trouxeram confirmações sobre o importante papel de variantes genéticas na resposta a determinados tipos de alimentos.

Assim, a compreensão da relação entre a genética e a dieta passou a ser melhor observada na prescrição das condutas alimentares.

 Afinal, o que é Nutrigenética?

A Nutrigenética estuda como as diferenças no DNA de cada pessoa impactam no organismo conforme os alimentos ingeridos. Em outras palavras, ela estuda como a genética (única para cada indivíduo) influencia na capacidade de absorção e metabolização dos nutrientes.

Através da análise do DNA e da identificação de quais variantes genéticas uma pessoa carrega em suas células, é possível compreender como cada um responde a diferentes estímulos nutricionais. Assim, é possível escolher a conduta mais adequada para cada paciente.

Dessa forma, a Nutrigenética vem ganhando destaque entre os profissionais que buscam por novos instrumentos que ajudem a melhorar a qualidade de sua prática clínica. A partir da maior divulgação, conhecimento e acessibilidade dos testes nutrigenéticos, concretiza-se esse novo meio de entender o organismo de cada paciente e poder inferir condutas mais assertivas.  

Considerando que diferentes pessoas tem uma combinação única de variantes genéticas que afetam diretamente suas vias metabólicas – além das diferenças na disponibilidade de alimentos para cada um (e que as escolhas por eles tem seus aspectos, culturais, econômicos e de preferência particular) – incluir esses dados nas consultas pode fazer a diferença no seu atendimento.  

Infográfico: Benefícios da Nutrigenética

Como a nutrigenética pode melhorar sua prática clínica?

Sabemos que a genética influencia bastante (entre 25 a 50%) da nossa capacidade de metabolizar os alimentos. Logo, conhecer as características genéticas de um paciente é muito importante para personalizar, com maior precisão, as suas condutas alimentares.

Assim, ao ajudar a compreender de que forma os polimorfismos genéticos influenciam na preferência alimentar, capacidade de metabolização e necessidades aumentadas de vitaminas e nutrientes, a nutrigenética ajuda a melhorar a tomada de decisão pelos profissionais da área de nutrição.

Para utilizar as informações nutrigenéticas, é necessária a realização de um teste para identificar as variantes genéticas do paciente. A DGLab realiza esses testes (chamados de nutrigenéticos), os quais fornecem informações didáticas e acessíveis por meio de um laudo genético, auxiliando nutricionistas e pacientes a entenderem bem essas informações.

Quer Trabalhar com Teste Genéticos?

Mais assertividade na conduta gera maior adesão e retorno do paciente, melhora o atendimento e também o progresso profissional. Se por acaso você estiver buscando por isso, não hesite em implementar os testes genéticos nutricionais na sua clínica.

Se você não faz ideia de como começar a trabalhar com testes genéticos, estamos aqui para te ajudar. Montamos um modelo de parceria especial: ao adquirir inicialmente os nossos testes (a partir do nosso “welcome kit”), você terá todo o suporte da nossa equipe, bem como diversos materiais que preparamos para facilitar e aprimorar sua prática com testes nutrigenéticos.