A partir do perfil nutrigenético dos pacientes, é possível identificar previamente certas características, e a partir dessas informações personalizar o planejamento alimentar e a suplementação de cada um deles.

Neste artigo falaremos sobre o que é o perfil nutrigenético, e como ele pode te auxiliar na prática clínica diária.

O que é o perfil nutrigenético?

O perfil nutrigenético nada mais é do que o resultado da análise de um conjunto de genes que nos dão informações sobre determinadas características do paciente.  

Os genes analisados influenciam como o organismo responde a determinados nutrientes e vitaminas, além de indicar predisposições a doenças, intolerâncias e sensibilidades alimentares.

A análise é feita através dos testes nutrigenéticos, sendo que cada tipo de teste avalia um conjunto específico de genes. A partir disso, o nutricionista pode utilizar as informações do perfil nutrigenético, juntamente com outras avaliações, para individualizar as prescrições nutricionais, como o planejamento alimentar e a suplementação.

Como escolher o teste nutrigenético ideal?

Atualmente, com o avanço da tecnologia, felizmente, é possível obter uma série de informações genéticas; no entanto, é preciso cautela na hora de escolher o melhor tipo de teste para os seus pacientes.

Antes de escolher o teste que você pretende trabalhar na prática clínica, reflita em algumas perguntas:

  1. Qual é o perfil dos meus pacientes? Eles buscam emagrecimento? São gestantes? Ou atletas?
  2. Quais são os principais genes que irão me auxiliar no atendimento desses pacientes?
  3. Quais vias metabólicas esses genes influenciam? Como eles impactam no metabolismo?
  4. Como eu posso modular a expressão desses genes através da alimentação e suplementação específicas? 

A partir disso, você já terá um ponto de partida para escolher o teste nutrigenético ideal para a sua prática clínica e para o seu público. 

Perceba que tão importante quanto trabalhar com a nutrigenética no consultório, é saber escolher os genes que você vai analisar, como interpretar o que os resultados querem dizer, e como irá aplicar em suas condutas nutricionais.

Ou seja, cada profissional terá que definir o teste ideal que informará o perfil nutrigenético dos seus pacientes. Também é possível escolher mais de um tipo de teste e aplicar conforme o paciente que irá atender. 

Como associar o perfil nutrigenético ao seu atendimento?

Com as informações do perfil nutrigenético, o profissional consegue atingir um grau mais elevado de individualização em suas condutas. Isso porque através deles é possível obter uma série de informações que irão ajudar na prevenção de doenças e nas estratégias nutricionais.

Juntamente com outras avaliações (bioquímicas, antropométricas e clínicas), os resultados genéticos podem auxiliar a identificar a causa de queixas e dificuldades. Assim é possível intervir com ações voltadas para regular a expressão de genes, o que irá contribuir para uma melhor saúde e qualidade de vida.

Para começar a analisar o perfil nutrigenético na prática, além do conhecimento teórico das funções e características de cada gene, você precisa saber escolher um laboratório parceiro que contenha testes que se encaixem ao seu perfil de atendimento e modelo de trabalho.

Em seguida você pode implementar aos poucos em sua prática clínica, avaliando a melhor forma de encaixá-los na consulta, estabelecendo protocolos de prescrição e divulgação nas redes sociais.