Desde o início dos anos 2000 estudos sobre as interações entre nutrientes e genes vem ganhando destaque no ambiente de pesquisas sobre a nutrição humana. Dentre eles as áreas Nutrigenética, Nutrigenômica e Epigenética receberam grande destaque ao focar seus esforços em compreender melhor essas interações.

Atualmente, esses conceitos vêm ganhando espaço dentro dos consultórios de nutricionistas e profissionais da saúde que atuam na área da nutrição. Muitos profissionais ainda têm dúvidas sobre a definição de cada um destes conceitos. Por isso, fizemos este post para com uma explicação clara e objetiva, tirar essas dúvidas.

Nutrigenética

A nutrigenética, basicamente, pode ser definida como o estudo dos efeitos da variação genética na resposta à dieta. Quando um profissional interpreta o teste genético nutricional de um paciente, pode se dizer que ele está exercendo a Nutrigenética.

Um exemplo seria o gene MTHFR, que codifica a enzima metilenotetrahidrofolato redutase, responsável por metabolizar o ácido fólico. Uma redução na atividade desta enzima, vai interferir na quantidade e na forma que devemos prescrever ácido fólico.

Nutrigenômica

Por outro lado podemos definir nutrigenômica como uma ciência que auxilia na compreensão dos efeitos da dieta e dos nutrientes, na expressão do gene.

Como exemplo podemos falar sobre o gene VDR, que é um receptor de vitamina D. Este gene depende da presença da vitamina para que seja ativado. 

Epigenética

Por fim, definimos a epigenética como o estudo das mudanças nas expressões dos genes, que não envolvam alterações na sequência do DNA. Outros fatores, como sono, atividade física e estresse por exemplo, são capazes de modular a expressão genética.

Qual o impacto da genética na nutrição?

Se você ainda não percebeu o tamanho do impacto da genética na nutrição, deveria saber então que as características genéticas de cada indivíduo influenciam aproximadamente 25% da capacidade de absorção de nutrientes do mesmo. Sendo assim, compreender temas como nutrigenética, nutrigenômica e epigenética se tornam muito importantes na elaboração de planos alimentares. 

Com a genética é possível personalizar condutas com base em informações únicas, contidas nos genes do paciente. Assim, aumentando a adesão aos planos e conseguindo resultados mais efetivos. Nós da DGLab, somos parceiros de profissionais que desejam trabalhar com testes genéticos nutricionais. Para saber mais, confira nosso modelo de parceria.