O gene PPARGC1A está relacionado com a regulação do metabolismo muscular e produção de mitocôndrias, além de estar associado a fibras musculares de contração lenta. Confira neste artigo sua função e os possíveis genótipos!

Gene: PPARGC1A

Nome: Coativador gama 1-alfa do receptor ativado por proliferador de peroxissoma.

Função: este gene codifica a proteína PGC-1α, um cofator de transcrição que modula a expressão de genes relacionados à geração de energia, inclusive nos músculos. Sua função está relacionada à biogênese de novas mitocôndrias, fenômeno chave no metabolismo energético, e também à conversão de fibras musculares do tipo 1 (de contração lenta).

Genótipos possíveis para o gene PPARGC1A

Genótipo G/G

Pessoas com este genótipo geralmente têm maior capacidade aeróbia e resposta a exercícios de resistência física, pois produzem a PGC-1α em maior quantidade. Também tendem a ter maior proporção de fibras musculares do tipo 1.

Genótipo G/A

Este genótipo está associado a uma capacidade aeróbia moderada e resposta intermediária a exercícios de resistência (produção moderada de PGC-1α).

Genótipo A/A

Pessoas com este genótipo geralmente têm menor capacidade aeróbia (menor produção de PGC-1α), e . Também tendem a ter maior proporção de fibras musculares do tipo 2 (de contração rápida).

Gene PPARGC1A e o metabolismo energético

O gene PPARGC1A é responsável pela síntese de um cofator de transcrição, ou seja, uma proteína que é capaz de ativar a expressão de genes relacionados ao metabolismo. No caso da proteína PGC-1α, ela age ativando genes que participam do metabolismo energético. Além disso, contribui para ativar um conjunto de genes responsáveis pela produção e função das mitocôndrias, organelas celulares responsáveis pela geração da energia celular.

Durante a realização de exercícios (principalmente os de intensidade baixa e moderada) ocorrem mudanças na fisiologia do organismo para gerar a energia requerida na atividade física. Uma mudança que ocorre é a ativação da biogênese mitocondrial, que resulta em um processo adaptativo ao exercício com o aumento do número de mitocôndrias bem como seu volume, o que se reflete no aumento da eficiência de produção de energia via metabolismo aeróbio para os músculos esqueléticos.

Para contribuir na eficiência energética, o gene PPARGC1A é ativado resultando em sua maior expressão, resultando na geração de mitocôndrias, permitindo ao corpo suportar mais tempo se exercitando, o que também tem influência no tipo de fibra muscular (de contração lenta ou de contração rápida). 

Sendo que diferentes genótipos proporcionam diferentes quantidades de proteína PGC-1α, isto possibilita inferir o tipo de exercício ao qual o organismo responde melhor: força/potência muscular ou resistência física. Além disso, a capacidade aeróbia também pode ser inferida, já que a mitocôndria utiliza o oxigênio que respiramos para a produção de energia.

Referências

Stefan et al. Genetic Variations in PPARD and PPARGC1A Determine Mitochondrial Function and Change in Aerobic Physical Fitness and Insulin Sensitivity during Lifestyle Intervention. The Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, 2007. 

Ahmetov et al. The combined impact of metabolic gene polymorphisms on elite endurance athlete status and related phenotypes. Human Genetics, 2009.

Cho et al. Perm1 regulates CaMKII activation and shapes skeletal muscle responses to endurance exercise training. Molecular Metabolism, 2019.