Essa publicação visa falar sobre o Gene FTO, sua relação com a obesidade e explicar como ele pode ser utilizado na prática clínica. Se você está começando agora a trabalhar com testes genéticos, não deixe de ler nosso conteúdo sobre o que são testes genéticos e como eles podem enriquecer sua prática clínica.

Gene: FTO

Nome: Gene Associado a Massa Gorda e Obesidade.

O gene FTO, considerado o gene da obesidade, está associado à massa gorda em adultos e crianças. O gene é responsável pela síntese da enzima desoxigenase dependente de alfa-cetoglutarato, responsável pelo reparo do DNA e o RNA quando alquilados por desmetilação oxidativa.

Essa enzima é particularmente ativa em áreas do cérebro associadas ao comportamento alimentar, relacionado à compulsão alimentar, a escolha de alimentos mais calóricos e à sensação de fome e saciedade. Seu grau de influência está relacionada ao alelos “A” e “T”, que indicam um maior ou menor índice de atividade. 

Variações de resultado

Com os resultados de um teste genético em mãos, nos resultados para o gene FTO, você encontrará as seguintes variações:

Resultado A/A e A/T: Os genótipos AA e A/T estão associados ao aumento significativo da sensibilidade a gorduras, escolha de alimentos mais calóricos, maior predisposição à obesidade e à compulsão alimentar. Há maiores benefícios quando realizados exercícios físicos de mais intensidade.

Resultados T/T: O genótipo TT não está associado ao aumento da sensibilidade a gorduras, bem como à propensão à obesidade, escolha de alimentos mais calóricos ou a episódios de compulsão alimentar.

O que significa ser sensível à gordura?

Quando falamos em sensibilidade à gordura, estamos nos referindo à forma como o organismo de cada indivíduo metaboliza esse nutriente.

Caso seu paciente apresente uma sensibilidade aumentada, isso significa que ele tem alguma dificuldade metabólica que prejudica seu uso adequado pelo organismo. Assim, podendo desenvolver doenças como as cardiovasculares.

Em geral, para indivíduos com sensibilidade aumentada a gorduras recomenda-se a redução do consumo de gorduras saturadas. Neste caso, dando preferência às gorduras insaturadas como estratégia para prevenir o desenvolvimento de doenças e para manutenção ou perda de peso.

A importância do gene FTO na prática clínica

Compreender como o seu paciente reage à ingestão de gorduras e como a genética pode influenciar em seu comportamento alimentar, vai auxiliar muito na criação do plano alimentar ideal, bem como na escolha de estratégias adequadas à sua genética.

Gostou do artigo? Compartilhe que um amigo ou colega de trabalho e fique ligado no nosso blog pois falaremos sobre mais alguns outros  genes!

Receba em primeira mão nossos artigos e conteúdos sobre Nutrição e Genética