O planejamento alimentar é somente uma parte do tratamento criado pelo nutricionista para o seu paciente. Para que o profissional de nutrição possa ter efetividade na sua intervenção clínica, há uma série de mudanças e novos hábitos que o paciente deverá alcançar. A conduta nutricional reúne todas as ações que deverão ser tomadas para que o paciente faça uma jornada mais suave e segura que culminará nos objetivos traçados no início do tratamento.

Qual a definição de conduta nutricional?

Antes de tudo, vale relembrar a real definição de conduta nutricional e quais fatores envolvem sua criação.

A conduta nutricional nada mais é do que um conjunto de todas as ações que o nutricionista define para o tratamento de cada paciente. Ela engloba questões relacionadas ao estado de saúde atual do indivíduo, buscando soluções alimentares a fim de melhorar sua saúde e qualidade de vida.

As condutas nutricionais variam de acordo com cada  paciente. Uma análise completa do seu perfil bioquímico, alimentar, histórico familiar, hábitos, e seu perfil genético, entre outros parâmetros, são cruciais para a determinação do tratamento e da conduta mais adequada. 

No geral, a qualidade dos resultados obtidos está muito ligado à forma como o tratamento será conduzido, bem como a forma como o paciente enxerga importância de cada ação durante o tratamento. Assim, é importante explicar cada passo do tratamento para que o paciente perceba sua responsabilidade para melhorar sua própria saúde e qualidade de vida. 

Consigo potencializar a conduta nutricional? 

A fim de passar mais confiança e contribuir para o entendimento do paciente em relação às suas orientações, é interessante traçar o tratamento ainda em consulta para conseguir explicar passo a passo como será feita a conduta nutricional. 

No entanto, sabemos que podemos encontrar alguns desafios que podem atrapalhar essa estratégia: um deles é o tempo de consulta. Planejar uma dieta, fazer as prescrições e orientações durante a consulta que dura em torno de 1 a 2 horas, pode não ser uma tarefa tão simples e pode entediar o seu paciente se não for algo dinâmico e organizado. Para isso trouxemos 5 dicas que podem contribuir para você começar a otimizar as recomendações nutricionais da sua conduta. 

5 dicas para otimizar sua conduta nutricional

1- Organize os perfis dos seus pacientes

Organize os perfis dos pacientes que geralmente você atende em consultório.  Por exemplo: diabético tipo 2, com dislipidemia, hipertenso, queixas gastrointestinais, hipertrofia muscular. A partir daí pense quais as principais recomendações e condutas para este perfil.

2- Crie um protocolo de atendimento

Crie um protocolo de atendimento e de recomendação para cada um desses perfis. É claro que não serão todos iguais, mas tendo uma base de orientação você consegue fazer as alterações necessárias, individualizando sua conduta nutricional. Assim, você ganha mais agilidade na consulta

3- Estimule a participação do seu paciente no plano alimentar

Para o planejamento alimentar, comece a pensar em maneiras de fazer com que o paciente participe desse momento. Deixe refeições “clássicas” do padrão alimentar pré-montadas, assim como o layout do seu cardápio, e faça os ajustes de acordo com o objetivo e preferências alimentares de cada indivíduo. 

4- Envie um questionário pré-consulta

Elabore um questionário pré-consulta e envie para o seu paciente! Faça perguntas básicas que ele conseguirá responder sozinho como: uso de medicamentos e suplementos, queixas intestinais, histórico familiar, principais objetivos, etc. Além de engajar o paciente antes mesmo da consulta, você já irá conhecê-lo um pouco mais e saberá os principais pontos que terá que se atentar no momento da consulta e durante a conduta nutricional traçada. 

5- Utilize orientações “coringa”

Em casos que você não consiga preparar o plano alimentar do paciente no momento da consulta, ou até mesmo se você preferir entregar esse plano depois, deixe algumas orientações “coringa” de alimentação saudável em seu consultório. Dessa forma, você começa com algumas orientações para que o paciente já se familiarize com as mudanças de hábitos e comportamentos.

Para finalizar, é importante que em todos os pontos você coloque o paciente a par de tudo. Ou seja, explique como será o tratamento de acordo com o objetivo dele, suas condições de saúde e suas preferências alimentares. Esclareça qual a estratégia que você irá utilizar e como ele deverá segui-la – faça com que ele se sinta parte do processo, e consciente de que o sucesso da conduta e do tratamento nutricional depende tanto da competência profissional do nutricionista, mas também de suas ações e vontade de mudanças.