Carboidratos antes do treino: O que você precisa saber

Você que pratica atividade física regularmente, se preocupa com suas refeições ao longo do dia? Nesse post vamos trazer algumas dicas de como os carboidratos antes do treino podem melhorar seu rendimento.

Mas afinal, o que são carboidratos?

Os carboidratos são moléculas químicas formadas por carbono, hidrogênio e oxigênio, que formam essa classe de nutrientes.

Eles estão classificados de acordo com o tamanho da molécula e a quantidade de açúcares.  São eles: carboidratos simples (monossacarídeos e dissacarídeos) e carboidratos complexos (polissacarídeos).

De acordo com o tipo de carboidrato, eles podem variar na velocidade de absorção e digestão pelo nosso organismo.

Para saber mais detalhes e exemplos de cada tipo de carboidrato, clique aqui.

Para que serve esse nutriente?

A principal função do carboidrato é fornecer energia, além de ser o principal “combustível” para o nosso cérebro. Ele é armazenado como glicogênio em nosso corpo, no músculo e no fígado. 

Quando essas moléculas armazenadas são “quebradas”, fornecem energia para nossas células e para o seu funcionamento.

Os carboidratos são importantes para a prática de exercício físico? 

Como já dissemos anteriormente, os carboidratos são armazenados na forma de glicogênio em nosso corpo, e sua capacidade de armazenamento é limitada.

Ou seja, quando praticamos alguma atividade física, principalmente as de alta intensidade e longa duração, esses estoques podem diminuir significativamente.

Treino

Portanto, se sua dieta for insuficiente em fontes de carboidratos, esses estoques não vão ser repostos. Isso poderá prejudicar seu desempenho, intensidade do exercício, causar quadros de fadiga muscular a até mesmo reduzir a função do seu sistema imunológico.

Por isso é importante um planejamento adequado da dieta, de acordo com suas necessidades energéticas. 

Quais carboidratos devo consumir então?

Para responder essa questão, é necessário analisar algumas variáveis na rotina de cada um. Por exemplo: duração do treino, tipo de exercício a ser praticado, horário da sessão de treinamento e das refeições planejadas, necessidades calóricas diárias e a digestibilidade de cada pessoa.

Vale lembrar que, não é somente sua refeição “pré treino” que vai te auxiliar no fornecimento de energia durante o exercício. Todas as suas refeições do dia, ou até mesmo do dia interior, vão influenciar em seus estoques de glicogênio (energia).

Portanto, o ideal é manter uma alimentação equilibrada durante o todo o seu dia, e nas refeições mais próximas a sessão de treinamento consuma boas fontes de carboidratos. Por exemplo: pães, aveia, arroz, tubérculos (batata, mandioca, batata doce, mandioquinha), frutas, macarrão.

comida

Cada um possui um tempo para digerir os alimentos, por isso devemos se atentar aos tipos de carboidratos antes do treino, e ao tempo de absorção de cada um adequando ao horário da refeição. 

Quando sua refeição for mais próxima ao treino (em torno de 30 minutos, por exemplo), prefira os carboidratos de rápida absorção, para fornecerem energia mais rapidamente.

Algumas opções são: frutas, geleia de frutas, pães brancos, tapioca, mel, suco de laranja, suco de uva, água de coco, goiabada.

Dica: Evite alimentos fontes de fibras e gorduras logo antes do treino, pois os mesmos podem gerar certos desconfortos intestinais e sensação de “empachamento”.

Procure sempre um bom profissional para adequar e individualizar as suas necessidades diárias a suas refeições, planejamento alimentar de acordo com a sua rotina de treinos.

Exemplos de carboidratos simples e complexos

Nos últimos anos, os carboidratos vêm sendo vistos como os grandes vilões do emagrecimento, por isso, é comum surgirem milhares de dúvidas. Entre as principais dúvidas está: o que são os carboidratos simples e complexos.

Antes de mais nada, como grandes defensores da nutrição personalizada e individualizada, não podemos deixar de mencionar que atualmente existem exames genéticos capazes de identificar como você metaboliza os carboidratos.

O que são Carboidratos?

Carboidratos são um grupo de nutrientes que estão presentes na grande maioria dos alimentos que comemos, sendo a principal fonte de energia que o nosso corpo utiliza para seu funcionamento e para realizarmos nossas atividades diárias.

Carboidratos refinados/simples:

São encontrados na maioria dos alimentos, mas carecem de nutrientes importantes (vitaminas e minerais). Esse tipo de carboidrato é digerido e absorvido rapidamente pelo organismo, o pode diminuir a sensação de saciedade (ou ter fome mais depressa).

Carboidratos integrais/complexos:

São ricos em fibras, o que gera impacto positivo em nossa saúde. Eles são convertidos em glicose lentamente, fornecendo níveis de energia que se mantêm ​​ao longo do dia, diminuindo a possibilidade de que sejam transformados em gordura, e mantendo a saciedade por mais tempo.

As frutas também são fontes de carboidratos complexos, com a vantagem de serem ricas em vitaminas e minerais.

Alimentos ricos em carboidratos refinados/simples:

– Açúcar refinado;
– Bolacha recheada;
– Arroz Branco;
– Bala de goma;
– Refrigerante;
– Pão Francês.

Alimentos ricos em carboidratos integrais/complexos:

– Inhame;
– Aveia em flocos;
– Lentilha;
– Macarrão Integral;
– Pão Integral;
– Batata Doce.

Como o teste Genético ajudou a mudar a vida de uma fisioterapeuta

Assista a história da Patrícia e a explicação da nossa nutrigeneticista Annete Marum nesta reportagem da TV Globo / Tribuna e entenda como o teste pode te dar os caminhos para uma vida melhor. 

Aplicação do teste genético nutricional

Os testes genéticos são capazes de oferecer o caminho para a personalização do seu bem estar. No caso da matéria acima, os sintomas do Lúpus comprometiam os hábitos de vida da Fisioterapeuta Patrícia Amaral.

Por conta da doença, ela tinha de conviver com uma série de sintomas como: fadiga, dor corporal, dores articulares, dificuldade de sair da cama, entre outros aspectos que afetavam o seu dia a dia pessoal e profissional.

Depois de realizar seu teste genético, Patrícia conseguiu entender algumas características que contribuíam para aqueles sintomas. Durante a matéria ela conta: “[…] foi dado no teste, alguns índices, de que eu não consigo ter uma desintoxicação adequada no meu organismo […]”

Expressão dos genes

Após o acompanhamento com a profissional nutrigenética, Patrícia começou o processo de mudança dos hábitos alimentares e comportamentais que favorecem suas características genéticas. Em pouco tempo, notou melhoras significativas que impactaram o seu dia a dia: “Já voltei minha rotina de trabalho, meus exercícios agora estou voltando e estou conseguindo em dias alternados fazer sem ter fadiga, sem ficar cansada, termino o meu dia bem, sem estar cansada, exausta e isso é muito bom.”

Como ter acesso aos testes genéticos?

Caso você tenha interesse em realizar o seu próprio teste, basta adquirir pelo nosso site. Se você é profissional da saúde e deseja disponibilizar os testes aos seus pacientes, clique para conhecer nosso modelo de parceria.

O que são testes genéticos e como podem enriquecer sua prática clínica.

Você é profissional da nutrição e quer entender o que são testes genéticos, quais suas aplicações e como eles podem enriquecer seus atendimentos? Esse post foi feito para você!

O que são Testes Genéticos?

Basicamente, testes genéticos são análises feitas em laboratórios que mapeiam em seu DNA instruções capazes de indicar diferentes características. Os testes genéticos para nutrição personalizada, indicam características como:

  • Predisposição à doenças como obesidade, hipertensão e diabetes;
  • Sensibilidades aos carboidratos e gorduras saturadas;
    – Necessidade de vitaminas e ômega 3;
    – Intolerâncias como Lactose, Glúten
    – E diversos outros fatores.

Para entender melhor a aplicação dos testes genéticos, recomendamos que você assista a matéria que participamos no programa Mundo S/A da Globo News.

Vantagens de oferecer testes genéticos aos pacientes

Nós sabemos que engajar os pacientes é um desafio diário. Acontece que muitas vezes, o profissional acaba recorrendo a metodologias de tentativa e erro na hora de prescrever seus planos alimentares.

O teste genético oferece como benefício, conhecer a genética de seu paciente e como ela se correlaciona com as condutas. Gerando:

– Maior engajamento do paciente;
– Resultados mais expressivos;
– Planos personalizados que respeitam a individualidade;
– Aumento na satisfação de seus pacientes.

Como Começar a trabalhar com testes genéticos?

Caso você tenha interesse em conhecer e oferecer testes genéticos aos seus pacientes, recomendamos que você conheça nosso modelo de parceria para profissionais da nutrição.

Nós oferecemos todo o apoio para quem quer iniciar na nutrigenética:

– Valores especiais nos testes;
– Materiais de apoio digitais;
– Suporte para interpretação dos laudos.

Para saber mais basta clicar no botão abaixo:

Teste Genético de Intolerância à Lactose

Teste Genético de Intolerância à Lactose: Como funciona?

Muita gente tem dúvidas em como funciona um teste genético. Quando escutamos a palavra “genética”, acreditamos que é algo complexo e inacessível, mas não é. Separamos aqui todos os detalhes do teste genético de intolerância à lactose.

Como fazer um teste genético?

Aqui na DGLab funciona assim: basta você realiza a compra no site, como uma compra online comum, e recebe em casa um kit de coleta. Não tem segredo, você vai utilizar o coletor para retirar a amostra da sua saliva, esfregando-o durante 1 minuto na parte interna da boca. Após esse procedimento, basta preencher o termo de aceite presente na embalagem com seus dados.

Depois você devolverá a mesma caixinha do kit de coleta em qualquer unidade dos correios, e pode ficar tranquilo, o coletor é preparado para preservar sua amostra, por isso pode ser transportado sem influência da temperatura ou transporte.

Se quiser saber como é o procedimento de coleta da amostra de saliva, assista esse vídeo detalhando o passo a passo.

Teste Genético de Intolerância à Lactose

Como é enviado os resultados do meu teste de intolerância à lactose?

Depois que o nossos doutores extraírem e analisarem seus genes, vão emitir o laudo com os seus resultados. Você recebe o laudo diretamente no e-mail que cadastrou no termo de aceite, entre 7 e 14 dias (para exames feitos no Brasil) ou 30 a 45 dias (para exames feitos em Londres) contados a partir do recebimento da sua amostra.

Quais as diferenças entre o teste genético e o exame de sangue?

Nos testes convencionais, o paciente precisa ingerir uma grande quantidade de lactose antes de realizar a coleta, o que causa uma série de desconfortos como: náuseas, vômitos, gases e diarréia. Em pessoas mais sensíveis esses efeitos podem permanecer durante semanas, o que acaba atrapalhando o dia a dia da pessoa.

No teste genético não é necessário ingerir a lactose, basta apenas uma amostra de saliva para o laboratório conseguir fazer sua análise genética e aguardar os resultados. Ou seja, é mais simples, pois você coleta no conforto da sua casa e contém resultados mais precisos.

Comparativo de confiabilidade do teste genético de intolerância à lactose:

Existem várias formas de se identificar a intolerância à lactose, sendo uma delas  o exame de sangue.

Estudos mostram que a sensibilidade e especificidade (parâmetros avaliados em testes clínicos) do exame de sangue são inferiores aos do teste genético, que detecta de forma indolor e prática a intolerância à lactose.

Por esta razão, o teste genético é considerado atualmente um confiável método para inferir a intolerância primária à lactose.

1. A genetic test which can be used to diagnose adult-type hypolactasia in children.
Autor e ano: H. Rasinperä e colaboradores, 2004
Revista: Gut. 53(11):1571-6.